quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

RESTOS DE MIM

A vida passa e com ela as portunidades
abrimos as mãos ela foge feito um passáro
cortando espaço
Quantos sonhos quantas felicidades jogadas no acaso
Hoje paro e refaço minha história,convenso
que passei da hora
As sementes que plantei não germinaram,não cuidei
terminaram secas e sedentas por conta de uma vida violenta por qualquer acaso
Nesse chão árido hoje eu caminho,sem destino a solidão ocupou todo o espaço
Perdi meu tempo correndo atrás do vento dos amores falsos
Hoje sou resto,pedaços das pequenas aventuras inseguras
Protestos de um passado das minhas desventuras....

CEIÇA PROCÓPIO

Nenhum comentário:

Postar um comentário