quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Quando o silencio incomoda
Fecho a porta do meu ser
Vou viver no paraiso
Sou resgatada ao recondito de minha alma
Vivo a calma do sono induzido
Desfaço,refaço e me acho
Num canto perdida
Faltando pedaços
Junto tudo e me refaço
Aparo as arestas
De tão pouco que me resta
Quando retorno,recuperada
Quase totalizada
Volto a luta dessa vida bruta
Cheia de deveres a cumprir
Acho bom,assim resume o tempo
Dessa vida que só traz sofrimento
CEIÇA PROCOPIO



3 comentários:

  1. Oi Ceiça..

    Tão belo e tão triste...

    Dá ate vontade de lher da colo..rs

    Vou lendo um poema por dia...

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. E antes que se pergunte quem é Funayama..

    Sou eu , Celo !

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. parece que vem do coração os sentimentos postos em palavras, em poesia.

    a vida pode não ser amarga, mesmo que a minha tenha sido no passado, o vinho pode ser doce, suave, não precisa ser sêco.

    hoje só sinto a tristeza alheia, porque já passei por ela, o medo já abandonei, porque quem ama confia naquele que te criou por amor.

    seja feliz, moça. enquanto voce é linda e bela, seja feliz pra ficar sempre assim, linda e bela eternamente.

    Sorria,
    e vai brilhar como a Lua distante, que atrai o olhar dos amantes, só porque reflete a luz do Sol!

    reflita à luz de Deus...
    e seja feliz enternamente.

    baijosss...

    ResponderExcluir