sexta-feira, 24 de setembro de 2010

-----------------SEM CONTROLE----------------------------

Vivia a vida na velocidade proibida
Deparei,derepente com uma curva
Vi a vida turva,sem saida
Frenar nessa hora seria fatal
Mantive firme no volante
Derrapei no perigo quase mortal
Contei com a sorte
Não foi dessa vez
Segui adiante
Passei a ser precavida
Deixei a ousadia de antes
Passei a viver na velocidade normal
O tempo passou,perdi o mêdo
Novamente sem segrêdo atrevi
Era a delícia da total entrega
Quando dei por mim
Estava sem controle
Na minha cara o perigo eminente
Capotei minha vida
Dessa vez a sorte foi bandida
Dei de frente com a morte
Sai muito ferida,mutilada
Hoje estou aqui fechada em mim
Impossibilitada de ser feliz
Calada na solidão
Esperando o fim, acabou a ilusão

CEIÇA

Nenhum comentário:

Postar um comentário